Crianças nascidas no espaço podem não ser totalmente humanas

Para nascer no espaço, primeiro, é preciso encontrar uma forma de enviar gente pra outros planetas em segurança.

Mas o evolucionista Scoot Solomon já está preocupado que, uma vez que consigamos nos estabelecer noutros planetas, de que os futuros bebês dos exploradores espaciais não sejam totalmente humanos.

Cabeçudos

Ele diz que as consequências de viver no espaço pode nos levar à inúmeras mudanças físicas; as mudanças na gravidade, por exemplo, e devido aos efeitos da baixa gravidade na diminuição da massa óssea, pode levar à mãe a fraturar a pélvis durante o parto, fazendo com que os partos espaciais sejam feitos apenas de modo cesariana, o que influenciaria num aumento da cabeça dos bebês, já que eles não seriam mais restringidos pelo canal da pélvis.

Crianças nascidas no espaço podem não ser totalmente humanas

Pele

Podemos evoluir novos pigmentos de pele, como a melanina que protege nossa pele da luz solar ultravioleta na Terra.

Isso pode significar que as futuras gerações que vivem fora da Terra evoluirão para ter cores de pele bastante diferente, pois estaríamos muito mais expostos à radiação espacial.

Mas ele diz que essas mudanças podem demorar séculos ou milênios, só depois de muitas gerações de mulheres dando à luz no espaço.

Fonte: Businessinsider - Futurism

 

⇐ VOLTAR